Drogas e energéticos associados ao álcool são explosivos para o coração

por Marcos Andrade 05/02/2018



As células do músculo cardíaco têm capacidade de gerar e conduzir energia elétrica. Para que isto ocorra de forma ordenada, existe um hierarquia na qual determinadas células têm maior poder para executar estas funções do que outras. As células da região do marca-passo do coração são as mais excitáveis e a energia elétrica aí gerada é distribuída para as células do sistema de condução elétrica e daí para outras células não específicas.



Ocorrendo uso de drogas ou mesmo bebidas energéticas, que excitam as células cardíacas, instala-se uma desordem neste sistema e vários pontos do coração começam a querer assumir o comando do ritmo cardíaco, perdendo-se o ritmo regular (chamado ritmo sinusal) e instalando-se a falta do ritmo regular (arritmias).


Quanto maior o nível sanguíneo de drogas, cafeína (no caso, dos energéticos) e álcool maior será a desordem do ritmo cardíaco e o risco de morte. Corações já doentes e portadores de situações predisponentes a arritmias serão os mais expostos, mas mesmo os normais estarão em risco.


Os norte-americanos criaram o termo holiday syndrome para agrupar pacientes que são atendidos nas segundas-feiras em prontos-socorros, com arritmias derivadas do uso abusivo de drogas nos finais de semana. Aqui, muito desses eventos ocorrem nos nossos carnavais... Portanto, preste atenção ao uso de drogas e energéticos, principalmente, quando associados a bebidas alcoólicas.


7 visualizações