Arritmias cardíacas, causadas até mesmo por exercícios, podem levar à morte súbita

Por Rita de Cássia M. Lacerda



A frequência cardíaca é medida pelo número de batidas do coração, que ocorrem em uma unidade de tempo, geralmente batimentos por minuto (bpm). Ela é normal entre 50 e 100 bpm. Quando dormimos ou estamos em repouso, a frequência cardíaca tende a ser mais baixa, porém, algumas pessoas, portadores de bloqueio no coração ou até mesmo atletas de alto desempenho, podem ter batimentos em torno de 40 bpm que caracterizam a bradicardia. Em certas situações – anemia, estados febris ou durante a prática de atividades físicas –, os batimentos podem aumentar e atingir valores elevados, caracterizando a taquicardia.


As batidas do coração podem ocorrer ainda em descompasso, com pulsação irregular, causando a arritmia cardíaca que, quando não diagnosticada e tratada corretamente, pode provocar doenças no coração e morte, de forma inesperada e instantânea, causada pela perda da contração do músculo cardíaco.


Qualquer pessoa pode ser diagnosticada com arritmia cardíaca, independentemente da faixa etária ou do sexo. Ela pode acometer recém-nascidos, jovens saudáveis e até mesmo esportistas. Porém, sua incidência tende a aumentar com o avançar da idade ou em portadores de doenças cardiovasculares, como a hipertensão arterial ou o infarto do miocárdio. Os principais sintomas são cansaço, fraqueza, palpitações (percepção do batimento cardíaco), tonteiras, desmaios, confusão mental, dor no peito e pressão baixa.


Entre os tratamentos mais comuns estão o medicamentoso, com o uso de antiarrítmicos; a ablação, uma técnica realizada com um cateter com energia de radiofrequência, que trata diversas arritmias; e o cirúrgico, realizado com o implante de dispositivos cardíacos eletrônicos, como marcapasso, cardioversor, desfibrilador ou ressincronizador, que estão entre os recursos mais avançados para o tratamento de arritmias graves e para a prevenção de recorrência.


Mais de 95% das mortes súbitas ocorrem fora do ambiente hospitalar. Se você perceber que seu coração está batendo de forma incomum, deve procurar um especialista. Com a descrição dos sintomas e a realização de exames específicos, é possível iniciar uma investigação cardiológica para avaliar o seu ritmo cardíaco.


Embora toda atividade física e ou esportiva traga benefícios à saúde, é importante ser orientado antes de iniciá-la ou mantê-la. Consultar regularmente um cardiologista, pelo menos uma vez ao ano, e prestar atenção aos sinais do coração (batimentos intensos, pulsações irregulares, cansaço demasiado sem motivo aparente), facilita o diagnóstico e o tratamento precoces, permitindo uma vida longa e com melhor qualidade.



Palavras-chave: frequência cardíaca batidas do coração bpm mortes súbita bradicardia taquicardia arritmia cardíaca doenças cardiovasculares hipertensão arterial infarto do miocárdio ablação marcapasso cardioversor desfibrilador ressincronizador

10 visualizações